quinta-feira, 9 de Junho de 2011

Recapitulação da matéria do 7º Ano



O aparecimento do Homem, há centenas de milhares de anos, foi o resultado de uma longa e lenta evolução física e intelectual. A capacidade de fabricar instrumentos constituiu o grande sinal da passagem de Hominídeo a Homem. De recolector e nómada no Paleolítico, passou a produtor e sedentário do Neolítico. Em conjunto, estes dois períodos formam a Pré-História.


Durante o Neolítico, as comunidades agrupam-se junto de grandes rios fazendo surgir os primeiros centros urbanos, onde se desenvolveram novas técnicas e novas formas de organização política, económica e social. Surgiram assim as primeiras civilizações: Suméria (Mesopotâmia), Egípcia, Inca e Chinesa. No Mediterrâneo Oriental surgiram a Fenícia e a Hebraica (cuja religião foi a base do Cristianismo).


Influenciada pelas civilizações do Crescente Fértil (Mesopotâmia e Egípcia), surgiu no Mediterrâneo uma nova civilização, que se impôs pela sua superioridade intelectual: a Civilização Grega. Em Atenas nasceu uma nova concepção do Homem e lá se desenvolveu o primeiro modelo de Democracia.
No século I a.C., uma outra civilização conseguiu, graças a um conjunto de condições favoráveis, unificar as regiões em torno do Mar Mediterrâneo, ao qual passaram a chamar “Mare Nostrum”: a Civilização Romana. Embora tivesse influências gregas, a cultura romana foi também muito original: língua latina, direito escrito, arte monumental e funcional.


Foi numa província do Império Romano, a Judeia, que nasceu uma religião totalmente distinta da romana, que era politeísta: o Cristianismo. Tendo por base a religião hebraica e como figura principal, Jesus Cristo, a nova religião caracteriza-se pelo monoteísmo, o humanismo e o universalismo.


Embora tivesse sido um Império poderoso, Roma começa a decair e no século V d.C., foi invadido e conquistado por um conjunto de povos bárbaros: os Germanos. Da mistura de culturas (bárbara, romana e cristã) nasceu a Civilização Europeia Ocidental, sendo o factor de união o Cristianismo. Nasce assim uma nova era e a Idade das Civilizações Clássicas dá lugar à Idade Média (1000 anos).

No início do século VIII d.C., (711) a Europa Ocidental é novamente invadida, desta vez pelos Árabes, que impulsionados pela ideia de Guerra Santa (Islão vs Cristianismo), rapidamente se alastram pelo Norte de África, Próximo Oriente e Península Ibérica. Aqui, houve inicialmente uma grande resistência por parte dos Cristãos, mas acabaram por perder e viram o seu território ocupado pelos muçulmanos. Como eram mundos opostos, ocorreram muitos confrontos violentos, mas também houve períodos de paz. 

Contudo os Cristãos, a partir do século IX, aproveitaram conflitos internos entre os muçulmanos e conseguiram ganhar terreno, direcção ao sul, com o apoio dos cruzados, ou seja, reconquistaram territórios perdidos. Formaram-se assim reinos cristãos muito importantes, como Leão e Castela. No fim do século IX, o nobre cruzado francês D. Henrique, recebeu como recompensa pelo apoio militar, o Condado Portucalense, e D. Teresa, filha do rei de Leão, D. Afonso VI. Deste casamento nasceu D. Afonso Henriques que lutou sempre pela independência desse condado, o que veio a acontecer em 1143

Um século depois, (1249), já estavam praticamente definidas as fronteiras portuguesas, não muito diferentes do que são hoje.
Note-se que entre os séculos VIII e XI, o clima de insegurança (devido às invasões) era grande tanto em Portugal como no resto da Europa, o que esteve por trás da consolidação do Feudalismo, caracterizado por uma economia fechada, uma sociedade assente nas relações de dependência (intensificação dos laços de dependência pessoal) e por um enfraquecimento do poder real, já que a sociedade era dominada pela nobreza e pelo clero que detinham grandes domínios territoriais.


Nos séculos XII e XIII, verificou-se um período de crescimento generalizado: ocorreu um grande aumento da população, devido à diminuição das guerras, logo, procuraram-se novas terras para cultivar. Isso fez com que se desenvolvessem novos instrumentos e técnicas agrícolas, cujo resultado foi o aumento de produção e com o desenvolvimento dos transportes, foi possível intensificar o comércio. Os pólos maiores deste renascimento económico situavam-se em Itália e na Flandres, assim como nas cidades do Báltico e no Norte da Alemanha. Portugal, graças à boa situação geográfica (entre as rotas do Mediterrâneo e do Atlântico Norte) participava também no grande comércio internacional europeu. 


A partir do ano 1000, a Europa conheceu um surto de construções de igrejas e mosteiros de estilo românico; eram edifícios de planta de cruz latina e com paredes grossas e poucas aberturas. Contudo, com o desenvolvimento e crescimento das cidades, surgiu um maior gosto pela cultura e um novo estilo artístico: o gótico, que tornou as igrejas e os palácios mais altos, belos, decorados e iluminados. Os arcos em ogiva, os arcobantes e as rosáceas com lindos vitrais coloridos caracterizam este novo estilo.

Reconquista Cristã - Vídeos

domingo, 15 de Maio de 2011

4ª Ficha de Avaliação - Plano de Orientação (Geral)

Pág. 10
1.     Motivos da decadência do Império Romano.
2.    Define bárbaros.
3.    Refere o nome dos povos na primeira invasão.
4.    Os diferentes povos bárbaros ocuparam os territórios do antigo Império Romano.
Pág. 12
5.    Define Arianos e pagãos.
6.    Explica de que forma se processou o processo de cristianização.
7.    Distingue clero secular de clero regular.
8.    Indica as principais actividades nos mosteiros.
9.    Identifica os diferentes espaços dos mosteiros.
Pág. 14
10.  Refere os povos invasores do século VIII.
11.  Explica de que forma se processou a ruralização da economia.
12.  Define economia de subsistência.
Pág. 24
13.  Caracteriza a sociedade medieval.
14.  Identifica e caracteriza as principais funções do clero. Explica de onde provinham os seus bens.
15.  Identifica duas ordens religiosas beneditinas
Pág. 26
16.  Explica de que forma a nobreza se tornou uma aristocracia fundiária e guerreira.
17.  Identifica as duas partes compostas num domínio senhorial.
18.  Identifica 4 poderes ligados à nobreza.
19.  Faz a reconstituição de um domínio senhorial (doc. 2).
20. Indica a principal actividade económica do Povo.
21.  Caracteriza o modo de vida do grupo social Povo.
22. Identifica as obrigações do Povo.
Pág. 28
23. Explica de que forma se criam laços de dependência entre senhores.
24. Identifica e caracteriza as três fases do contrato de vassalagem.
25. Identifica deveres e direitos do vassalo e do suserano.

quarta-feira, 9 de Março de 2011

Objectivos - 7º Ano - 3ª Ficha de Avaliação


Objectivos 3ª FA (Grécia e Roma)
(página 58 só é para o 7º7)
Página 58
Condições naturais
- Saber as condições naturais da Grécia.
Da formação das cidades-estados ao mundo helénico no século V a.C.
- Saber os povos invasores.
- Definir cidades-estado.
- Elementos de identidade colectiva.
- Motivos para a colonização.
Página 60
Organização económica de Atenas
- Principais actividades económicas
- Porque é que tinham uma intensa actividade comercial.
- Diferentes tipos de economia
Sociedade ateniense
Tudo
Página 62
- Tipos de Democracia.
- Realizações no tempo de Péricles.
- Importância da ágora.
- Democracia directa.
- Limitações da Democracia ateniense.
Página 64
Formação do cidadão
- Gineceu
Religião Grega
- Características da religião grega.
- Tipos de culto aos deuses.
Página 66
- Origens e tipos teatro.
Manifestações filosóficas, científicas e literárias
- Conhecer a obra de alguns autores, pensadores, filósofos, etc.
Página 68
Arte grega
- Caracterizar a arte grega.
Arquitectura
- Conhecer e Identificar as características da arquitectura grega e respectivas ordens (os dois primeiros parágrafos).
Escultura e Pintura
- Caracterizar, de forma sintética, as principais características na escultura e na pintura.
Página 78
Origens à expansão de Roma
-Indicar quando e onde surgiu a Civilização Romana.
- Diferentes formas de governo em Roma.
- Lenda da Loba do Capitólio.
Página 80
A Romanização
- Definir processo de romanização.
- Identificar e caracterizar os diferentes elementos da romanização.
Página 82
Economia do Império
- Diferentes tipos de economia.
- Características da sociedade imperial e respectivos grupos sociais.
Página 84
Literatura e direito
- Identificar os 3 diferentes tipos de direito romano.

terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

Roma Antiga - Links

Fonte (Retirado a 22 Fevereiro 2011): http://pt.wikipedia.org/wiki/Imperador_romano

Poderes Imperador

Vejam a seguinte fonte da Wiki:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imperador_romano

Economia Romana

Economia esclavagista: escravos.

Roma Séculos I e II

Romanização

Para a manutenção de um Império tão vasto foi necessário criar um conjunto de condições que garantissema integração e controlo dos povos conquistados.

  1. Exército: Manutenção da soberania romana e da Paz Romana nas fronteiras;

  1. Mercadores e colonos;
  2. Administração: eficiente, com províncias e munícipios;
  3. Rede de estradas ("Todos os caminhos vão dar a Roma");

  1. Língua Latina;
  2. Direito Romano: todos os povos obedeciam às leis romanas;
  3. Obras públicas: teatros, termas, templos, fóruns, aquedutos, sistemas de saneamento, etc.
EXERCÍCIOS:

Formação Império Romano

Fonte: http://www.escolovar.org/historia_imperio.romano_big.jpg, retirado a 22 Fevereiro de 2011

  • V-IV a.C. Conquista de toda a Península Itálica
  • III-II a.C. Expansão para fora de Itália: Sicília, Península Ibérica; Norte de África, a Grécia e os reinos helenísticos da Ásia Menor e da Síria.
  • I a.C. - I/II d.C.: Gália, Egipto, Britânia, Dácia.

sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Fundação Roma - Loba Capitólio

Rómulo e Remo, irmãos gémeos amamentados por uma loba, desentenderam-se. 
Rómulo matou Remo e tornou-se o primeiro rei de Roma, em 753 a.C.

Civilização Romana



 
 Legenda: 1 - Teatro; 2 - Forum; 3 - Anfiteatro; 4 - Templo; 5 - Aqueduto; 6 - Ponte

És guerreiro, lutas pela formação de um vasto Império... Em todo o lado existem marcas da presença dos Romanos: latim, leis e costumes; deuses; edifícios e cidades...
A vida em Roma divide-se entre o luxo e a miséria. Se fosses rico habitavas num palácio ou numa villa, com muito luxo e jardins interiores... Se fosses pobre vivas num bairro rodeado de perigos, onde eram frequentes os incêncidos, epidemias e violência... Mas os imperadores preocupavam-se em tornar a vida do povo mais agradável, através de espectáculos gratuitos como o circo, o teatro ou uma ida ao Coliseu.
Ainda durante o Império Romano, Jesus pregou o amor universal e a igualdade entre os homens, independentemente da raça e da posição social. Esta situação ameaçava a ordem estabelecida no Império, o que provocou sangrentas perseguições aos primeiros cristãos, que só terminaram quando o imperador Constantino decretou a liberdade de culto no Império.

Fonte: Manual Viva a História 7, Porto Editora, pág. 76





Esquemas Civilização Grega


Arte Grega

A arte grega foi marcada pela religião e mitologias gregas. Caracteriza-se pela perfeição e beleza, os Gregos consideravam que "até as coisas úteis deviam ser bekas". Uma arte feita à medida do Homem, uma vez que este é o centro das preocupações e a arte estava ao seu serviço.

Manual Viva a História 7, Porto Editora, pág. 68



Arquitectura
Colunas:


Elementos:


A Acrópole


Escultura e Pintura

  • Rigor do pormenor;
  • Perfeição;
  • Naturalidade;
  • Serenidade;
  • Realismo;
  • Ideia de movimento;
  • Cenas mitológicas e episódios do quotidiano;

Manifestações filosóficas, científicas e literárias

Os Gregos preocupavam-se com as origens do Universo, da vida e das forças da natureza. Os filósofos desenvolveram o pensamento racional, apresentando, pela primeira vez, explicações sem recorrer a mitos ou à religião, mas sim à razão!
 Manual Viva a História 7, Porto Editora, pág. 66

Fonte da imagem: desconhecida.

Teatro Grego

Esta é a exposição das informações de Heródoto de Halicarnasso, a fim de que os feitos dos homens, com o tempo, se não apaguem, e de que não percam o seu lustre acções grandiosas e admiráveis (...)
Heródoto, Histórias
 
Retirado de: http://www.youtube.com/watch?v=8dP4_lp5mOM&feature=related a 18 de Fevereiro de 2011

O teatro teve a sua origem no culto ao Deus Dioniso (deus do vinho);
Géneros:
  • Tragédia;
  • Comédia;
    • Contam cenas dramáticas da vida dos deuses e dos heróis;
    • Na comédia contavam história que ridicularizavam situações do quotidiano e determinadas personagens;

Os gregos eram únicos
na arte de divertir...
Inventaram a comédia
e choravam de tanto rir!
Se te queres divertir,
ou chorar de tanto rir...
Conhece Aristófanes
E a comédia vais sentir!
A tragédia acontecia!
Porque sempre alguém sofria...
Em histórias de sentimentos e dor,
cheias de ambição e amor 

Jogos Olímpicos

Religião - Deuses Gregos

Monte Olimpo

             
 Deuses Gregos (alguns):
  • Zeus – Deus de todos os deuses, senhor do Céu.
  • Afrodite – Deusa do amor e da beleza.
  • Poseidon – Deus dos mares
  • Hades – Deus dos mortos, dos cemitérios e do subterrâneo.
  • Hera – Deusa dos casamentos e da maternidade.
  • Apolo – Deus da luz e das obras de artes.
  • Artemis – Deusa da caça.
  • Ares – Divindade da guerra.
  • Atena – Deusa da sabedoria e da serenidade. Protetora da cidade de Atenas
  • Hermes – Divindade que representava o comércio e as comunicações
  • Hefestos – divindade do fogo e do trabalho.
Os gregos prestacam culto a uma grande variedade de deuses, concebidos com aspecto físico, qualidades e defeitos semelhantes aos seres humanos. Era politeísta e antropomórfica.
Prestavam cultos domésticos; pan-helénicos, públicos (exemplo: jogos olímpicos)

Características principais dos deuses gregos:
  • Imortais;
  • Invisíveis;
  • Metamorfose: adquirir várias formas;

Democracia na Época de Péricles e Limitações


 

Péricles (em grego Περικλῆς, lit. "cercado por glória"; c. 495/492 a.C. - 429 a.C.):


  1. Célebre e influente estadista, orador e estratego (general) da Grécia Antiga, um dos principais líderes democráticos de Atenas e a maior personalidade política do século V a.C. 
  2. Viveu durante a Era de Ouro de Atenas - mais especificamente, durante o período entre as guerras Persas e Peloponésica. Descendia, pela linhagem de sua mãe, dos Alcmeônidas, uma influente e poderosa família.
  3. Tucídides, um historiador contemporâneo seu, o declarou "o primeiro cidadão de Atenas". Péricles transformou a Liga Délia 
  4. Criou um verdadeiro império ateniense, e liderou seus compatriotas durante os dois primeiros anos da Guerra do Peloponeso.
  5. Péricles promoveu as artes e a literatura, num período em que Atenas tinha a reputação de ser o centro educacional e cultural do mundo da Grécia Antiga. 
  6. Iniciou um ambicioso projeto que construiu a maior parte das estruturas que ainda existem na Acrópole de Atenas (incluindo o Partenon). Este projeto foi responsável por embelezar a cidade, exibir a sua glória e dar emprego à população. Péricles também estimulou a democracia ateniense, a tal ponto que seus críticos o chamaram de populista.
Retirado de: http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A9ricles, 18 de Fevereiro de 2011. Texto adaptado.

Democracia: organização política caracterizada por uma participação directa dos cidadãos na tomada de decisões político-administrativas, através da sua presença na assembleia legislativa. 
A Democracia foi instituída em Atenas a partir de 508 a.C., com as reformas de Clístenes.

Péricles instituiu:
  • Possibilidade de todos os cidadãos se dedicarem à vida política, mesmo os mais pobres, sendo estes remunerados para que nenhum fosse impedido de participar na vida política da cidade.
  • Princípio da igualdade de direitos entre todos os cidadãos.
  • Democracia directa: todos os cidadãos podiam participar na tomada de decisões relativas ao governo da polís. Tal significa que o poder era, efectivamente e directamente, exercido pelo próprio povo, nas várias instituições democráticas.


Limitações e Contradições
  1. Igualdade de direitos apenas reservada a uma minoria da população, os únicos a exercerem o direito de voto e a participarem na vida política;
  2. Mulheres, metecos e escravos não tinham direitos de cidadania;
  3. Existência da escravatura;
  4. Falta de liberdade de expressão;
  5. Condenações ao ostracismo (exílio) e à morte;
  6. Imperialismo exercido por Atenas;

    Exercício:

    Caracteriza a democracia grega e aponta as suas limitações

    quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

    Liga de Delos e Guerra do Peloponeso


    Liga de Delos:
    • Uma liga marítima organizada por Atenas durante as Guerras Médicas
    • Tinha como principal objetivo a defesa das cidades gregas de um ataque persa. 
    • Sua sede era na cidade de Delos
    • O ateniense Aristides, o Justo, organizou a força marítima da liga em 476 a.C.

    Consequências:
    • Esparta e suas aliadas do Peloponeso no primeiro momento entraram na liga, mas depois consideraram que o perigo havia passado e abandonaram a liga.
    • As grandes cidades forneceram tropas e navios, enquanto as menores pagaram uma contribuição (phoros) ao tesouro de Delos
    • Depois da vitória contra os persas, Atenas forçou as cidades-estado aliadas a continuarem na liga, e transformou a contribuição de dinheiro em impostos (syntaxes).
    • Em 450 a.C., o tesouro da liga foi transferido de Delos para Atenas. Parte do dinheiro da liga foi gasto na reconstrução de Atenas, que atingiu seu máximo esplendor e transformou-se num império marítimo e comercial durante o governo de Péricles, que também foi responsável pela construção do Partenon.

    Fontes:
    1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Liga_de_Delos
    2. http://2.bp.blogspot.com/_p5B6Rc_TzD4/S77tF89OcEI/AAAAAAAAABo/fL_x13mBx2o/s1600/mapa_guerra_pol.jpg
     Retirado a 18 de Fevereiro de 2011, texto adaptado.

    A Guerra do Peloponeso

    A guerra do Peloponeso:
    1. Conflito armado entre Atenas (centro político e civilizacional por excelência do mundo do século V a.C.) e Esparta (cidade de tradição militarista e costumes austeros), de 431 a 404 a.C. 
    2. Detalhadamente registrada por Tucídides e Xenofonte
    3. De acordo com Tucídides, a razão fundamental da guerra foi o crescimento do poder ateniense e o temor que o mesmo despertava entre os espartanos. A cidade de Corinto foi especialmente atuante, pressionando Esparta a fim de que esta declarasse guerra contra Atenas.

    Consequência:
    1. O declínio de Atenas marcou a ascensão de Esparta e desfez a única via possível para a unificação política do mundo grego, afetada rudemente com a devolução aos Persas das cidades da Ásia Menor em troca do seu ouro. 
    2. A substituição do império ateniense, baseado no projeto de Delos, por um outro, militarizado, como o de Esparta, não trouxe grandes alterações ou momentos de grandeza helênica. Ao contrário, iniciou-se o apagar do "fogo grego".
    Para mais informações sobre as batalhas, consultar:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_do_Peloponeso
    Textos adaptados e retirados a 18-02-2011

    Sociedade Ateniense


    Cidadãos (1/10 dos cerca de 350.000 habitantes de Atenas)
    • Sexo masculino;
    • Maiores de 20 anos;
    • Naturais de Atenas e com serviço militar;
    • Direito de Cidadania: participar no governo da cidade;
    • Podem possuir terras;
    Metecos
    • Estrangeiros a viver em Atenas;
    • Homens-livres, mas sem direitos cívicos e políticos;
    • Prestam serviço militar;
    • Pagam impostos;
     Escravos (grupo social mais numeroso)
    • Não tinham quaisquer direitos;
    • Executavam os trabalhos mais difíceis e pesados (minas, obras públicas e trabalhos domésticos);
    • Não eram maltratados;
    • Pertenciam aos cidadãos ou aos metecos;

      Pólis e Acrópole

       
       

      1- Acrópole: parte mais alta da cidade, protegida por muralhas, onde se situavam os templos e os edifícios governamentais, e onde a população se refugiava em caso de ataque.

      2-  Ágora: parte baixa da cidade, ocupada por vários edifícios, como o tribunal, o ginásio, o teatro, o estádio e as habitações, e pela ágora (praça pública).


      Fonte: http://www.klepsidra.net/klepsidra26/agora-plano.jpg, retirado a 18 Fevereiro 2011

      3- Zona rural: zona fora da cidade, constituída pelas aldeias, campos, pastagens e florestas.


      Acrópole: refúgio fortificado capaz de albergar os habitantes da cidade em caso de ataque exterior

      Fonte: http://www.notapositiva.com/trab_professores/textos_apoio/historia/mundohelenico.htm, retirado a 17 de Fevereiro de 2011 às 22:53

      quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

      Cidade-Estado (Pólis)


       
      Cidade-Estado de Atenas

      Definição de Cidade-Estado (Pólis): Cidade que se autogovernava independente das outras cidades vizinhas e o seu território era composto pelos campos e aldeias das redondezas.

      Criação de Cidades-Estado:
       - Condições naturais do território grego;
      - Isolamento das comunidades;
      - Criação de um espírito de independência entre as cidades, cada uma com um governo próprio;

      Principais Cidades-Estado Gregas:
      - Atenas;
      - Tebas;

      Civilização Grega

          
                                      Praia em Cefalônia                      Monte Olimpo (ponto mais alto)

            
                                                      Tessalónica                                               Fira, Santorini

          
                                                      Hermópolis                                           Teatro de Epidauro 

      Localização e Geografia:
      - Extremo da Península Balcânica;
      - Composta por centenas de pequenas ilhas entre a actual Itália e a Ásia Menor;
      - Banhado pelo mar Mediterrâneo e pelo mar Egeu;
      - Relevo montanhoso;
      - Pouco propício à agricultura, solo pobre;
      - Faixa costeira extensa;
      - Grécia é banhada por 3 mares: este - Mar Egeu; oeste - Mar Jónico e a Sul - Mar Mediterrâneo.
      - 80% do seu território é montanhoso, o que dificulta a comunicação, isolando as populações.
      - O clima é marcado pelo Mar Mediterrâneo, os Verões são secos e quentes; os Outonos e Invernos com chuvas pouco abundantes;




      Legado Cultural:
      Localizada na juntura da Europa, Ásia e África, a Grécia é o berço de nascimento da democracia, filosofia ocidental, dos Jogos Olímpicos, da Literatura ocidental e da historiografia, bem como da ciência política, e dos mais importantes princípios matemáticos, e também o berço de nascimento do teatro ocidental, incluindo os gêneros do drama, tragédia e o da comédia.


      Fonte (texto e imagens)http://pt.wikipedia.org/wiki/Gr%C3%A9cia Texto adaptado. Retirado a 16 de Fevereiro de 2011.
      Fonte (mapa): http://www.historiadomundo.com.br/imagens/grega_mapa.jpg Retirado a 16 de Fevereiro de 2011. 


      Exercícios:
      1- Com base nas imagens e nos textos, caracteriza as condições naturais da Grécia.